Prisões religiosas diminuem a reincidência

[Veja o material no ig.com.br para muito mais informações e um video. Clique aqui: ig.com.br ]

Imagine uma prisão sem algemas, policiais ou agentes penitenciários e onde os próprios detentos fazem a segurança, cuidam das chaves dos portões dos pavilhões e dos externos e são incentivados a telefonar para familiares com frequência. Em contrapartida a essa “liberdade”, eles têm de seguir uma religião cristã, trabalharem e terem bom comportamento.

Chamado de Apac (Associação de Proteção e Assistência aos Condenados), esse modelo de gestão existe no Brasil e, segundo o Conselho Nacional de Justiça, tem índices de reincidência criminal que variam de 8% a 10%. No sistema convencional, estima-se que 70% dos condenados libertados voltem a cometer crimes.

As Apacs não são recentes, foram criadas em 1972, por um grupo de voluntários da Igreja Católica, que visitavam detentos para dar apoio, no presídio Humaitá, em São José dos Campos, no interior de São Paulo. A partir dessas experiências, a entidade foi constituída legalmente dois anos depois.

“Acreditamos que o sistema prisional pode melhorar muito e que a Apac pode contribuir com essa melhora. O método é desenvolvido há mais de 40 anos e nunca houve um caso de grave violência no interior de suas unidades, nunca houve um homicídio e jamais ocorreu motim ou rebelião. A reincidência chega a ser dez vezes inferior à convencional, e a manutenção dos centros de reintegração social é, em média, três vezes inferior ao custo do sistema comum”, avalia o juiz Luiz Carlos Rezende e Santos, do Conselho Nacional de Justiça.

[Veja o material no ig.com.br para muito mais informações e um video. Clique aqui: ig.com.br ]

Anúncios